5 de fev de 2014

Galera Pop: Operação Sombra - Jack Ryan

Há exatos 30 anos, o escritor Tom Clancy apresentava o personagem Jack Ryan, um analista da CIA  que vira agente de campo por força das circunstâncias em A Caçada ao Outubro Vermelho; o livro virou filme em 1990 com um Alec Baldwin (30 Rock) magrinho e sério ao lado de Sean Connery. Chris Pine, que deu cara e corpo ao novo capitão Kirk, agora faz o mesmo pelo espião de Clancy. É o segundo reboot da série: após dois longas-metragens em que Harrison Ford substituiu Baldwin dando continuidade às aventuras do personagem, Ben Affleck começou tudo do zero em A Soma de Todos os Medos, de 2002, mas não foi adiante. Sendo assim, Jack Ryan chega ao seu terceiro “filme de origem”.

Como todo espião clássico, Jack Ryan é um dinossauro da Guerra Fria e, aqui, para não fugir à regra, enfrenta um vilão russo, Viktor Cherevin (Kenneth Branagh, também diretor). O plano do inimigo é assustadoramente simples e crível: provocar uma “Segunda Grande Depressão” ao realizar um ataque à bomba à Bolsa de Valores de Wall Street em conjunto com uma complicada manobra financeira. É justamente esse golpe econômico que Ryan, agora um especialista em finanças internacionais, descobre — e o que faz com que ele seja cooptado por um velho agente da CIA (um excelente Kevin Costner) para desbaratar o plano com sua mente analítica.

Como filme de origem, Operação Sombra mostra finalmente o acidente de helicóptero sofrido por Ryan, quando ainda era um jovem fuzileiro naval (o fato é apenas citado em A Caçada ao Outubro Vermelho e A Soma de Todos os Medos, os dois filmes em que o personagem é apresentado). Operação Sombra também segue a cartilha de Jack Ryan, que dentre seus colegas de profissão (James Bond, Jason Bourne, Ethan Hunt), é praticamente um CDF meio hesitante com uma pistola na mão, que precisa de um mentor para se safar do perigo — a figura paternal de Kevin Costner já foi vivida, com outros nomes, por James Earl Jones e Morgan Freeman nos filmes anteriores da série.

Como filme de espionagem, Operação Sombra é, infelizmente, genérico demais, apesar de tentar injetar novidade na cena batida do roubo de dados no covil do vilão — a sequência é entrecortada pelos momentos do tenso jantar entre Viktor Cherevin e a namorada do herói (Keira Knightley). Mas o longa-metragem fica só nisso, pois o resto é mediano demais. Faltou a grande história ou a grande novidade; foi onde Ben Affleck fracassou também, entre outros motivos, ao ressuscitar Jack Ryan em A Soma de Todos os Medos. O problema é que a “primeira” origem do personagem, A Caçada ao Outubro Vermelho, tem, tanto na literatura quanto no cinema, uma trama memorável e ambiciosa. Aqui, a história parece ter saído de uma linha de montagem e ser intercambiável com os últimos capítulos de Missão: Impossível ou até mesmo Duro de Matar. Chris Pine é um bom novo Jack Ryan em um filme que, infelizmente, não traz nada de novo. A obra diverte, mas é esquecível.

Um adendo aqui vai para o ótimo rumo que Kevin Costner deu à carreira, ao saber envelhecer com dignidade e elegância: ele é a melhor coisa em cena aqui e no equivocado Homem de Aço. Costner agora vai entrar na seara de Liam Neeson em 3 Days to Kill.

O trailer e outras informações estão no site oficial.

Nenhum comentário: