13 de fev de 2014

Galera Pop: CAÇADORES DE OBRAS-PRIMAS

Caçadores de Obras-Primas mostra um capítulo da Segunda Guerra Mundial que, até então, era apenas uma nota de rodapé: a história de um comando formado por especialistas em artes cuja missão era recuperar grandes obras roubadas pelos nazistas. Hitler tinha um plano de montar um grande museu com tudo que suas tropas pilhassem; porém, caso fosse derrotado, deixou ordens para que esse tesouro artístico da humanidade fosse destruído. Em uma corrida contra o tempo, com a Alemanha nazista prestes a cair e cedendo terreno (Paris já havia sido recuperada), esses “caçadores de obras-primas” tiveram que evitar que as bombas alemãs (e até mesmo as aliadas) destruíssem todo esse acervo – e também impedir que os russos ficassem com ele.

A sinopse acima indica uma grande aventura épica na linha de frente da Segunda Guerra, e o elenco (Matt Damon, Bill Murray, John Goodman, Cate Blanchett, Jean Dujardin) e mais George Clooney atuando, dirigindo e roteirizando apontam para um clima de Onze Homens e um Segredo nas trincheiras; porém, alguma coisa se perdeu no meio do caminho. Clooney titubeia no tom da narrativa; tem momentos de galhofa, outros melodramáticos, porém o que mais incomoda é a superficialidade: Caçadores de Obras-Primas nunca decola como deveria. As missões e descobertas são feitas ao acaso. Todos os personagens são apresentados com características e especialidades diferentes; porém, quando entram no pelotão, eles se tornam genéricos, e nenhum contribui efetivamente com sua área de especialização. A princípio charmosos e interessantes, os personagens não brilham.

É inegável que George Clooney se apaixonou pelo tema (baseado em livro homônimo); o longa-metragem passa esse ardor e também o saudosismo por uma época mais romântica de filmes de Segunda Guerra, aqueles que o público de mais de 40 anos cresceu assistindo, como Os Canhões de Navarone e A Grande Escapada. É um choque para as plateias atuais, que beberam o sangue e sentiram o calor do combate de O Resgate do Soldado Ryan e Band of Brothers. Porém, o roteiro ficou devendo. A ameaça russa nunca se concretiza de fato. A interessante personagem de Cate Blanchett fica resumida a uma ingrata cena de sedução frustrada sobre Matt Damon. Pequenas coisas assim vão maculando a obra de arte que Caçadores de Obras-Primas quase chegou a ser. Ainda é um fascinante relato de um fato obscuro, mas ficou aquém das expectativas.

O trailer e outras informações estão no site oficial.

Nenhum comentário: