29 de mai de 2014

Design et cetera: Capas, mais capas!

Boa tarde, galeretes! O dia de hoje está perfeito para um café quente e um bom livro da Galera, não é? E aqui nesta coluna a gente se sente à vontade para julgar um livro pela capa, então vamos lá apresentar as novidades para vocês.

Capa Americana vs Capa Britânica

Pode ser só a minha opinião pessoal (design é TÃO subjetivo), mas sempre que ficamos em dúvida entre comprar a arte de capa americana ou britânica, por algum motivo misterioso, a britânica sempre vence. Muitas vezes, a capa americana acaba sendo MUITO comercial, o que significa pouco ousada às vezes. Abaixo as versões americanas e britânicas de dois livros que publicaremos em breve. Em ambos os casos, optamos pela arte britânica:

WARP de Eoin Colfer: versão americana e britânica

Esse livro é o máximo! Escrito pelo criador e biógrafo de Artemis Fowl, essa série é sobre viagem no tempo e todos os paradoxos envolvidos nisso. A capa americana é bem legal, mas parece muito pôster de filme sci-fi. A britânica tem mais a ver com o livro, com esse toque vintage que faz mais sentido, já que um dos personagens é da época vitoriana. Concordam?

O segundo exemplo de capas US vs UK é da diva, musa e gênia da Sarah J. Maas, criadora da série Trono de Vidro. Sou MUITO suspeita para falar dos livros dela pois posso ter desenvolvido uma pequena obsessão pela autora. Além de escrever fantasia #likeaboss , o grande mérito dela é criar personagens femininas fortes e sem mimimi, ao contrário de muitos livros por aí. Esse é o segundo volume de Trono de Vidro, chamado Coroa da Meia-Noite. Se você AINDA não leu o primeiro, sugiro parar de perder tempo com essa coluna e começar AGORA!

Eis as versões americana e britânica da capa!

Em ambas, temos a mesma ilustração da assassina Celaena. Mas na versão britânica ela parece AINDA mais letal contrastando com o fundo branco. Então fomos de britânica e ficou assim:

Muito amor, né? 

Antes que vocês digam que tenho alguma coisa contra os Estados Unidos, um exemplo de capa americana MARAVILHOSA da Chronicle Books (cujas capas são TODAS lindas) e que fizemos questão de adquirir direitos de imagem: O que restou de mim.


 Acho essa capa incrível e muito sofisticada, além de traduzir bem o clima da história. O livro faz parte de uma série sci-fi com uma premissa muito interessante: e se um corpo pudesse ter duas almas, uma dominante e uma recessiva? (Super acho que esse é o meu caso, haha, explicaria tanta coisa!)

Abaixo a nossa versão adaptada:

Divamos, né?

Mas nem tudo se copia nessa vida e gostamos do desafio de criar capas brasileiras. Uma criação nossa que tenho bastante orgulho é o livro Invisível, escrito em parceria pelo genial David Levithan (autor de Will & Will)  com a Andrea Cramer (autora da série Nightshade). O livro conta a improvável história de amor de uma menina que se apaixona por um garoto invisível.

A capa original é bem literal:


 Mas em vez se simplesmente colocarmos uma foto de um casal adolescente e aplicar uma transparência no menino (o que seria a ideia mais óbvia para ilustrar essa história) optamos por algo mais arriscado e mais conceitual:


Apostamos na tipografia e nos elementos gráficos para passar a ideia de invisibilidade. Ficou bem diferente, né? Estou curiosa para saber a opinião de vocês a respeito.

E por último, para fechar nossa coluna de hoje, o livro Aí, meus deuses! Sobre uma garota normal que vai para uma escola superexclusiva na Grécia, onde todos os alunos são descendentes de deuses gregos!

A capa gringa trabalhada na breguice:


E a nossa capa, trabalhada no glamour:


E aí, o que acharam? Como sempre curiosos para saber a opinião de vocês!

14 comentários:

Andresa Dias disse...

Ameiiiiiiii o fato de terem mantido a capa de "O que restou de mim", porque ela é linda <3 Doida pra ler!

A capa nacional de "Aí, meus deuses!" está bem mais bonita que a americana (que é bem brega o.O) \o/

Só não curti a capa de Invisibility, porque eu adoro a capa americana =(

Bjs,
Andresa
http://leiturasefofuras.blogspot.com/

Wagner Luiz disse...

Algumas capas americanas são bem legais, mas com certeza, algumas se tornam muito comerciais...
As capas que a Galera está adaptando estão muito lindas...Como sempre!

Mundo Riordan disse...

A Capa de Invisível ficou realmente fantástica. Adorei o post.




Saudades da Garota it, ela poderia voltar para cá tbm

Anônimo disse...

Meus deuses, estou apaixonada pelas capas >.< Amei a capa de coroa da noite, ficou incrível, sério !!!!!!!!! O que restou de mim e ai meus deuses também ficou legal...

E.M.J. disse...

Estou louco para ler Invisível( A capa tá maneira), acho que será parecido com "Todo dia", mas... Vou tê-lo de qualquer forma, e a capa de "O que restou de mim" está perfeita. Ai, meus Deuses está anos luz melhor que a americana... Vocês estão fazendo um bom trabalho. Nossa falei com uma prioridade, que só vendo.kkkkkk

Emily disse...

Sério, vcs arrazaram na capa do Ai, meus deuses! A capa original é extremamente brega. Bom trabalho Galera, eu sempre fico muito satisfeita com a arte gráfica dos livros de vcs.

Verdade Ficcional disse...

Amo as capas da Galera!
A capa de Invisível ficou linda, e a de Ai, meus Deuses! nem se compara com a original

Almi disse...

Gostei da capa trabalhada no Glamour. E fazer o que né, Trono de Vidro é muito bom.

Tita Mirra disse...

AMEI a capa de Invisível, muito melhor do q a americana :)

Laís Santos disse...

Amei a escolha das capas entre as versões britânicas e as americanas. Manter a capa de "O que restou de mim" foi uma excelente opção; a de "Invisível" ficou linda e artística; e a de "Ai, meus Deuses!" ficou mais bonita do que a original, dando um toque de diversão e beleza para a obra. Amei, amei, amei! Estão de parabéns!
http://ressacas-literarias.blogspot.com.br/

Marcos Gonçalves disse...

Extremamente ansioso para ver qual será a capa de Two Boys Kissing do David Levithan

Ana Paula Gomes Santos disse...

a capa do ai, meus deuses! de vcs ficou mais bonita do q a original.

Anônimo disse...

As capas que sao publicas aqui no Brasil são realmente lindas. Tanto as que sao criadas para a ediçao em portugues tanto as que sao adaptadas. Pena que é so lançar o filme pros leitores perderem a chance de admirar a arte da capa, que quase sempre é melhor que a que copia o poster do filme. A editora realmente deveria pensar nisso, e pensar na possibilidade de manter as capas "originais" ao inves de mudar quando fazem um filme do livro.

Marina disse...

A capa de Invisível ficou mil vezes melhor que a original, parabéns! Não costumo gostar muito do estilo da capa original com fotos de pessoas, acho meio brega, as tipográficas costumam brilhar muito mais meus olhos.