27 de set de 2013

Papos de sexta: Agradecimentos e histórias engraçadas

Vamos falar sério, hoje. Quantos de vocês leem o livro todo? Quando eu digo “todo”, eu quero dizer todo meeeesmo. Desde a orelha até a última folha em que está escrito o tipo de papel em que o livro foi impresso. 
Bom, eu faço isso com os livros que gosto. Praticamente busco qualquer palavra a mais que eu possa absorver de uma história incrível.  Mas existe uma coisa que eu acho ainda MAIS especial. Inclusive, acho que todos os livros deveriam ter. Estou falando dos “Agradecimentos”. Sim, aqueles textos que a maioria ignora. 
Há diversos discursos de agradecimentos: os divertidos, os sistemáticos, os dramáticos e os emocionantes. Eu não sei se foi apenas TPM, mas me lembro de já ter chorado com um texto de agradecimento de algum livro! Uma pena eu não lembrar qual era agora. 
Aposto que a maioria de vocês nem presta muita atenção, né? Conheço várias pessoas que simplesmente ignoram a riqueza de um texto de agradecimento. Principalmente se eles são apresentados no começo do livro. Os leitores apressados simplesmente viram páginas até chegar ao primeiro capítulo. Vocês não sabem o que estão perdendo!
Ok, alguns agradecimentos são bem sem graça, automáticos e sem vida. Mas tem cada um lindo! Adoro quando os autores, ao fecharem uma série, escrevem aquele longo discurso e ainda agradecem os leitores que os acompanharam até o fim. Há também as declarações de amor ou fatos curiosos e engraçados sobre o processo de escrita, pesquisa ou publicação do livro. É todo um mundo novo sobre o qual o autor escreveu. Não é como ler o blog do autor ou acompanhá-lo no twitter. O texto está ali, no livro.
Meg Cabot agradeceu aos fãs de A Mediadora e O Diário da Princesa que acompanharam suas protagonistas até o fim. Rachel Hawkins fez o que prometeu se fosse publicada: um “Oi, Dallas”. Já John Green e David Levithan fizeram um “Reconhecimentos” (no lugar de Agradecimentos) em Will & Will com fatos engraçados e aleatórios que envolvem desde “dedo no nariz” até “colar na prova”.
Muito amor por autores que se preocupam em escrever o texto de agradecimento, acrescentar notas ou curiosidades. Muito obrigada! Sem dúvidas vocês tornam a experiência da leitora aqui ainda melhor.
E vocês, leem tudo? Já tiveram alguma experiência com um texto inusitado nos Agradecimentos de um livro?

6 comentários:

VOLLZIN disse...

Eu adoro agradecimentos, quanto maiores melhor! Uma viz li um que a pessoa escreveu "sei que ninguém lê agradecimentos, mas..." eu quase fiquei com raiva do livro! Que ultraje! Foi quase pior que ler um livro sem agradecimento. Ah, esse são tão vazios e tristes. Como assim, não agradecer? Como assim, não contar nenhuma história sobre o livro, daquelas que só vão ficar ali, meio que para serem eternizadas na página? Sempre leio e releio várias vezes, porque aquelas pessoas foram importantes para aquela história que eu tanto gosto, ou para o autor que eu tanto adoro e que sem elas não teria tido o suporte ou a vivência para criar aquilo que acabamos de ler ou que leremos depois. Acho que quando eu for fazer um agradecimento, seja numa tese, monografia, ou livros mesmo, alguém vai ter que segurar minhas rédeas senão vou desembestar a falar e não vou parar mais. Um agradecimento de 50 páginas não vão agradar, talvez, nem a quem gosta deles!

Anderson Vidal disse...

Tenho raiva dos agradecimentos de A Corrida do Escorpião, que a Maggie fala que é possível que ela continuasse escrevendo sobre aquilo e depois quando o leitor tem esperança de um continuação ela diz: "Não, na verdade não é" ARGH

REGIANE disse...

Eu sempre leio os agradecimentos e o que mais me marcou foi o de Paula Pimenta em FMF-4.

jully guedes disse...

Oi Pam. Eu sempre leio todo o conteúdo dos livros. Não importa se for um que eu não tenha gostado tanto, eu leio sim, todo o conteúdo que ele pode me oferecer.

Polie disse...

Oi! Eu sempre leio os agradecimentos, alguns dão quase duas páginas, mas é legal para se aproximar do(a) autor(a). No momento não lembro de algum marcante, mas é divertido ver quando, por exemplo, um personagem do livro tem o mesmo nome da pessoa citada no agradecimento. :,)

Beijos~

Anônimo disse...

Não lembro qual, acho que O porto seguro, o Nicholas Sparks agradece em várias línguas,e cada dialeto é uma pessoa que ajudou na produção1 Muito lindo. Além dele sempre agradecera mulher e dizer que ela é melhor de todas as histórias de amor!!