18 de jul de 2014

Papos de sexta: Sonhos realizados


Todo mês, quando escrevo algo para vocês, eu me pergunto: “E agora, sobre o que falarei”? Desta vez, a resposta veio em formato de sonho. Dois, na verdade, muito parecidos, que tive na semana passada.

No primeiro deles, eu perdia um voo para São Paulo, chorava no aeroporto e dizia para o cara da companhia aérea que precisava estar na Bienal cedo ou não conseguiria senha para ver a Cassandra Clare. Ele ria de mim, dizendo que nem sabia quem era “essa cantora”, e eu discutia com ele, dizendo que ela não era cantora.

Então ia para rodoviária tentar pegar um ônibus. Depois de seis infinitas horas, quando eu chegava, os portões estavam fechados.  Eu dizia para o segurança: “Você tem que me deixar entrar! Eu vim do Rio só para isso!”, e ele me respondia que metade do povo que conseguiu entrar também não era de São Paulo, mas tinha chegado antes de abrir para conseguir a entrada. O sonho, que estava mais para pesadelo, terminava com várias amigas minhas saindo da Bienal sorrindo com o autógrafo de Cassandra, me mostrando as selfies que tiraram com a escritora. Acordei no susto e fui logo olhar minha passagem aérea, que é para um dia antes, e respirei aliviada.

O segundo sonho também era na Bienal. Nele, após um dia inteiro de filas e compras, meu namorado reclamava comigo que não tínhamos tido tempo para nós dois, e que por isso ele queria voltar para o hotel. Dar uma boa descansada, ver um filme...

Quando a gente voltava (e eu reclamando, óbvio), dizia para ele então para ao menos comermos por lá mesmo, que eu não queria sair.

O lado bom – e louco – do sonho é que, ao descer com ele para jantarmos no hotel, o garçom informava que o restaurante estaria fechado, pois tinha sido alugado somente naquela noite para um encontro de autores. Sentada e aborrecida, eu não aceitava arredar o pé de lá. Foi quando avistei um por um chegando e dando um “Hi” quando passavam por mim. Estavam todos lá: Cassandra Clare, Cecily Von Ziegesar, Scott Westerfeld, Meg Cabot, Justine Larbalestier, Diana Peterfreund, Lauren Kate, David Levithan e Colleen Hoover.

Claro que tinha que ter uma coisa ainda mais louca em meu sonho: nele, ainda saí correndo para uma livraria comprar os livros de todos eles para autografarem. Se o sonho era meu, claro que daria tempo.

Essa coluna foi só para contar um pouco de como estou ansiosa com a Bienal. Como a expectativa é boa e o clima é lindo quando chegamos pertinho do evento e o friozinho na barriga aumenta. Já vi de pertinho Meg Cabot, Cecily Von Ziegesar, Lauren Kate, Justine Larbalestier, Scott Westerfeld... e esse ano com certeza verei Cassandra Clare. Tem como não sonhar com esse momento? Que venha mais uma Bienal e que um dia eu possa conhecer David Levithan e Colleen Hoover!

3 comentários:

Frini Georgakopoulos disse...

Só você mesmo, Raffa, para sonhar com a Bienal neste nível. Mas realmente ... passagens e hotel já estão reservados para não ter erro :)
A gente vai se divertir muito nas filas!
beijocas e até .... amanhã! HAHAAH

Aline Basilio disse...

Meu Deus! Que esse sonho se torne realidade.
Quero muito conhecer o Harlan Coben também.

Lilly DiCine disse...

Oi, Raffa!!!

Hahahahahaha... Quantos sonhos loucos! A parte das selfies do primeiro sonho foi onde eu mais ri.... Logo você, a rainha das fotos? Tadinha... não vai acontecer isso não amiga, fica tranquila!!!! ;D
O segundo sonho foi mais legal, né? haha.
Vai dar tudo certo. Não se preocupe. Afinal, você tem a missão de nos contar tudo!