30 de abr de 2015

Galera entre letras: Confissões


Hoje eu quero falar de um assunto meio tabu entre leitores: os livros que nunca lemos e que nem vamos ler. Muita gente tem vergonha de tocar nesse assunto e evita a todo custo. Outros até preferem mentir. Mas a verdade é que todos nós temos aquela lista de livros que nunca lemos e que, talvez, nunca vamos ler.

Mas por que será que os livros que não lemos são assim tão importantes, a ponto de nos fazer inventar mil desculpas ou criar estratagemas pra disfarçar a nossa ignorância naquele tema? E por que eles seriam assim tão mais importantes que os livros que nós efetivamente lemos?

Bom, a verdade é que ler os mesmos livros que outras pessoas nos dá a sensação de fazer parte de um grupo ¾ o que é ótimo, por sinal. Mas a vontade de fazer parte de um grupo não deveria ditar os nossos gostos. E tem aqueles leitores que mentem sobre certos livros para demonstrar (mais) inteligência ou parecer que são pessoas (mais) interessantes etc. Mas se você lê ¾ qualquer que seja o livro! ¾, você já é uma pessoa inteligente e interessante!!!

Eu também já menti sobre os livros que não li ¾ pelos mesmos motivos acima ¾, mas hoje estou muito mais interessada nos livros que eu li efetivamente, pois foram eles que me fizeram ser a leitora que eu sou hoje.

Claro que essa lista dos livros que eu não li nunca é definitiva! E tem alguns livros nela que eu não li porque não encontrei o livro pra comprar (as bibliotecas virtuais ajudam um bocado!) ou porque eu simplesmente não tive tempo, já que a lista dos livros que eu quero ler sempre aumenta. rs

De todo modo ¾ e não importam as razões ¾ a lista dos livros que eu nunca li não pode ser motivo de vergonha. E ela também não define a leitora que eu sou. No fim das contas são APENAS os livros que eu não li.

E se vocês ficaram curiosos com os títulos que eu nunca li, eis alguns (com uma breve explicação sobre o porquê de não ter lido). E se vocês quiserem comentar sobre os livros que nunca leram aqui, fiquem à vontade também!

Bom, pra começar, um livro (uma série, melhor dizendo) que gerou certa polêmica na internet e alguma discussão sobre o que é (ou não é) literatura nesta semana. Discussão, aliás, que foi uma grande bobagem porque lá no dicionário Aulete o verbete sobre “literatura” diz que uma das acepções da palavra é “arte [isto é, execução de uma ideia] que usa a linguagem escrita como meio de expressão”. A discussão correta seria o que é boa ou má literatura, portanto. Mas aí já é outra história...

Eu confesso que não li do terceiro livro em diante de Harry Potter e fiquei satisfeita em somente ver os filmes. Eu li na época em que saiu, em inglês mesmo, mas achei o segundo livro um dos mais chatos que já li na vida e parei. Como vi os filmes, não sei se quero voltar a ler a série. E me arrependo de ter lido O Senhor dos Anéis! Se na época em que li eu já conhecesse o Elric de Melniboné, do Michael Moorcock, ou os livros de Fritz Leiber, um dos grandes nomes da fantasia gaiata, talvez eu nunca tivesse ouvido falar de Aragorn e companhia.

E também nunca li um livro considerado “clássico”, que faz parte do currículo de leitura de todo colégio norte-americano: O Sol é para Todos. Até agora, eu também estava satisfeita em ver apenas o filme (será que filmes baseados em livros atrapalham a leitura das obras que os inspiraram?!), mas depois de muitas décadas, a autora resolveu publicar uma sequência, e eu resolvi dar uma chance ao livro, que vem numa edição novinha aqui pela Record. Provavelmente, o livro vai sair da minha lista de não lidos.

E, pra finalizar a minha listinha, tem os 25 livros que completam a série Discworld, do Terry Pratchett! Mas eu não li por falta de tempo mesmo porque o Pratchett é meu autor favorito e eu pretendo completar a leitura da série, que está sendo editada pela Bertrand Brasil, do grupo Record, muito em breve!


Então por hoje é isso! Divirtam-se com suas leituras e até a próxima!

Um comentário:

Frini Georgakopoulos disse...

Não acredito que a Record vai publicar O Sol É Para Todos?! Eu AMO esse livro e sim, é mil vezes melhor do que o livro! Assim como os livros de Harry Potter. Câmara Secreta é malinha, mas o Prisioneiro e Príncipe são incríveis demais!