20 de jun de 2013

DESIGN ET CETERA: Criação e escolha de capas, por Rafaella Machado

Oi galera, tudo bem?  Hoje vamos falar um pouco sobre o nosso processo de criação e escolha de capas! Sabe aquele ditado: não se deve julgar um livro pela capa? Bem, nós discordamos hahaha. A escolha da arte de capa é uma etapa muito importante no lançamento do livro, porque é através dela que o leitor tem o primeiro contato com a obra. Mas como é que funciona o nosso processo?

Bom, quando vamos lançar um livro estrangeiro, a primeira coisa que fazemos é uma pesquisa para ver como ficaram as capas dos outros países. Se gostarmos da capa, a gente compra os direitos e adapta. É o caso, por exemplo, de Métrica (Slammed).  Nós amamos a capa inglesa  e resolvemos seguir com o projeto. Pronto, final feliz 



Mas nem sempre é tão simples assim. Tem vezes que a arte original não é apropriada ou em caso de séries, foge dos padrões do livro anterior.  Isso aconteceu com a segunda capa da série Leviatã, do nosso querido autor Scott Westerfeld. 

A primeira capa da série era assim:


Mas quando eles lançaram Beemote, o projeto mudou completamente:




Nada a ver, não é mesmo? Felizmente, o próprio Scott Westerfeld concordou conosco e melhor ainda (!) nos apresentou a solução. Antes dos gringos mudarem completamente o projeto, o ilustrador Keith Thompson tinha desenvolvido esse esboço para a capa americana: 




O que nós fizemos? Compramos a arte dele, e demos uma adaptada na quarta capa.Bem melhor, não acham?



Agora, tem vezes em que não adianta insistir porque a capa original simplesmente não funciona. Foi isso o que aconteceu com o livro O Futuro de Nós dois. A capa gringa era muito sci-fi, com esses códigos binários por cima da ilustração. Tudo bem que o livro se passa em 1996 e os personagens veem o futuro via facebook, mas achamos que o foco da história é no romance e não tem nada de sci-fi na história. 






Por isso, desenvolvemos outro layout completamente diferente para esse livro. Que tal?Cabe ao editor avaliar cada situação para saber qual o melhor caminho a ser tomado. Seja esse a compra, adaptação ou criação de um novo layout. É isso, gente! Espero que tenham gostado do post, e mês que vem estou de volta para falar de uma tendência bem legal que são as capas estampadas. Um grande beijo da Rafa!

16 comentários:

Beatriz Guedes disse...

Adorei o seu post. Eu não fazia a menor ideia de como é o processo de escolha de uma capa de livro. Aprendi e adorei. Beijos

Mariana Guedes disse...

wow adorei o post e saber mais sobre o processo! Muito legal!

Kamilla Evely disse...

A capa original de O Futuro de nós dois, é feiosa! :x A que vocês desenvolveram deu um show! Gostei muito de saber mais sobre a criação/escolha das capas!

Raíssa Canhoto disse...

Olá!
Eu tenho uma dúvida: como vocês sabem que a capa original não vai funcionar tão bem? existe alguma pesquisa com leitores ou algo do tipo? =]

Obrigada!

Diogo Andrade disse...

Poderia acabar com as capas feitas com posters dos filmes/séries. É um horror encontrar isso por todo lado, umas vez que a produção cinematográfica é uma versão ou adaptação do livro e não o contrário.
Pode até ser uma boa estratégia de marketing, mas é um desrespeito com a obra.
Não somos obrigados a aceitar a celebridade que viveu o papel como referencial, mas quando é usado o poster como capa, acaba induzindo que é isso sim que tem que ser feito, priva a imaginação muitas das vezes.

Tícia disse...

Legal essa explicação. Eu sempre pensei que, quando uma capa é bem feita, ela fala muito sobre o livro.
Legal esse texto! bjos

Dani Mota disse...

Meu sonho é poder trabalhar nessa editora e ter a oportunidade de fazer as artes das capas! já enviei um cv! *-*

Ana Resende disse...

Rafaella, muito legal o post! A capa de "O Futuro de Nós Dois" foi uma das que mais gostei e você tem razão, o foco tinha mesmo que ser o romance <3 <3

Ana Resende disse...

Rafaella, adorei o post! A capa de "O futuro de nós dois" é uma das minhas preferidas e amei a maneira como ela incorporou o título e o romance da história sem ser "girlie".
Mal posso esperar pra ler a próxima coluna!
<3 <3

RLinus disse...

Gente, que bom que vocês gostaram do post! Raíssa sobre a sua dúvida: para saber se a capa original funciona ou não, tentamos avaliar se a arte traduz bem a história, e se foi desenvolvida com bom gosto. Óbvio que gosto é subjetivo, mas algumas coisa, como foto do rosto das pessoas, sabemos que não têm boa aceitação com o nosso público. É isso gente, um grande beijo e até o próximo post ♥

Evellyn disse...

Que post legal Rafa!

Acho que não devemos julgar mas é impossivel não reparar numa capa! As vezes a vontade de ler (ou não) é só graças a ela...

Eu, particularmente, não curto mt a capa de Métrica pq acho que - para quem não leu - ela não tem grande 'significado'.
Ja a capa de O futuro ficou mt linda! Acho que ela de certa forma 'lembra' a capa original e ao mesmo tempo ficou mt mais bonita e moderna e fofa!

bjss
Evellyn

Lia Christo disse...

Adorei o post, eu tinha uma ideia de como funcionava, mas com sua explicação ficou bem melhor.
Doces Letras

Pedro Maziero disse...

O post só me deixou mais intrigado quanto ao porquê de vocês terem mudado o padrão das capas de "O Inimigo" do Charlie Higson! :/

Marcia Nazario disse...

Que post incrível!!
Muito esclarecedor e interessante e cá para nós...nossas capas são as mais bonitas!! ;)

Francielle disse...

Bem interessante saber isso, mas é muito decepcionante quando mudam as capas por capas muiiito mais feias, como com "Paranormalcy". A capa original era linda e a nacional ficou muito feia.

Francielle disse...

A capa de "O futuro de nós dois" ficou muito bonita, mas particularmente eu adoro a capa original. Gosto muito das duas : )