24 de jul de 2015

Papos de sexta: O Spoiler Assassino

Em tempos de internet, tudo que fazemos, lemos ou assistimos é facilmente compartilhado nas redes sociais, e milhares, às vezes milhões de pessoas veem o que escrevemos. Pode ser uma simples saída do cinema onde você odiou o filme e quer dizer pro mundo não assistir, aí você vai lá no twitter e posta : “ Perdi 2 horas da minha vida, filme chato demais!!!”. Se você tem muitos amigos, ou tem um blog com muitos seguidores, não será difícil receber uma mensagem perguntando porque não gostou do filme, certo? Agora, imaginem se eu resolvo responder a essa pessoa: “Porque além do filme ser chato, a mocinha morre no final!”.



Vamos parar para pensar... afinal, o que realmente pode ser considerado spoiler? No exemplo acima, eu ficaria com raiva se ainda não tivesse visto o filme e lesse na timeline de alguém isso. Ok. Spoiler Detectado! Agora, vejamos: se eu opto por assistir um filme no Netflix tipo Titanic – supõe-se que qualquer pessoa que respire o tenha visto – e lá pelas 2 da matina eu em prantos posto no meu Facebook : “Que filme!!! Sempre choro quando o Jack morre!”. É spoiler?? Eu acho que não. Gente, o filme é de 1997, uma das maiores bilheterias do cinema e ainda tem gente que acredita que eles irão ficar juntos? E mesmo que a pessoa vá assistir somente agora, será mesmo que estraga o filme saber o final?

Sei que isso depende muito de cada um, mas vamos passar para os livros. Em média, resenho 10 livros por mês no meu blog, e muitas vezes eu acho que o que falo é spoiler, aí volto, penso...e tento encontrar uma forma de resenhar sem contar o que se passa. Ao resenhar eu declaro o que mais gostei e porque, mas não posso e nem devo informar algo que estrague a leitura do livro ou que tire as surpresas que a história nos oferece e que ninguém me contou. Não tenho nenhum direito de soltar spoilers sobre a obra alheia.

Complicado? Talvez... Há quem goste de spoilers, os peça nos eventos que apresento ou me mande inbox perguntando se o casal ficou junto, se a protagonista morre...De acordo com essas pessoas, isso não estraga em nada a vontade de ler aquela história, ou seja, a conclusão é que nem sempre o que é spoiler para mim pode ser para quem o lê, ou vice-versa. Morro de medo de falar mais do que devo quando entrevisto algum autor nos eventos, mas aí acabo vendo que me policio tanto que ele mesmo vai lá e solta que ela escolhe um e não o outro, e respiro aliviada, porque é igual filho alheio, eu não tenho direitos sobre ele, mas o autor sim.



Outro dia vi uma discussão na qual diziam que a blogueira não deveria ter falado algo, mais de 20 leitores dizendo que ela estragou a surpresa do livro. Ao pegar o mesmo exemplar, estava ali o que ela citou no vídeo;na sinopse!!! Oi? Quem mesmo soltou  o spoiler? Ou seria melhor lembrar: será mesmo que era um spoiler?

Fico imaginando a dificuldade de quem faz as sinopses em não ser assassinado pelos caçadores de spoilers – sim, eles existem, acredite –, porque qualquer informação a mais é crime hediondo e inafiançável.

A palavra spoiler se origina de spoil, que, em inglês, quer dizer estragar, ou seja, quem conta spoiler estraga o filme ou o livro. Não seria forte demais usar isso sempre?


Ficou difícil para o mundo definir spoilers. E você, como lida com isso?

4 comentários:

Frini Georgakopoulos disse...


Oi Raffa! Na minha opinião, existe o spoiler (contar um detalhe da trama que é essencial para a experiência do leitor ou público) e detalhes da obra (que podem ajudar a trazer mais curiosidade sobre a mesma ou revelas demais do que está por vir). Por exemplo, é spoiler dizer que a mocinha morre no final do filme ou do livro X, mas contar que tem uma reviravolta e que vai deixar todo mundo chocado não é spoiler, mas pode ser considerado detalhe. Tem gente que foge até disso. Eu já gosto de detalhe, mas ABOMINO spoiler. Então vai do bom senso mesmo. Eu tenho muito cuidado ao abordar isso nas resenhas e comentários porque não sei como é a cabeça de todos que me leem/ouvem. Quando apresento, não falo spoilers se a galera não quiser. Mas quando escrevo e sinto que preciso contar alguma parte da trama para melhor explicar a sensação ou o sentido do livro, aviso com letras garrafais. Assim, quem quiser ler, lê. Quem não quiser ler, foge. Mas o que eu acho um ABSURDO (assim mesmo, com caps lock) é a galera que sai contando spoiler em imagens e do nada, só para ser “bacana”. Não é legal tentar chamar a atenção dos amiguinhos assim. Isso só chama a atenção para o quanto a pessoa é palerma. Prontofalei. :) Mas curti o texto, Raffa! Foi mal pelo meu testamento aqui! HAHAAHHA!

Carol FS disse...

Confesso que tenho sérios problemas com spoilers, por isso se tem algum livro que eu quero muito ler, evito ler resenhas sobre ele. Por outro lado, às vezes estou no meio de um livro muito bom, como foi o caso de "Maybe Someday", e preciso saber que diabos vai acontecer, porque o coração está na mão. Mas, não exagero nas reações quando alguém solta um spoiler, acontece às vezes. Beijos!

Luana C. disse...

Eu levo de boa, até mesmo o terceiro livro de Splintered eu já fui em blogs americanos ler os spoilers de lá kkkkkk Tem gente que odeia, mas pra mim isso aumenta minha curiosidade em como a história chegou até esse final. Então não muda muita coisa :D

Anônimo disse...

Não lido bem não. Odeio Spoiler! Apesar de que as vezes nós soltamos uns sem querer... Ops! Mas não, para mim, spoiler não tem vez.