22 de mai de 2015

Papos de Sexta: Colorindo a vida

Vou ser muito sincera, quando os livros interativos surgiram, eu disse para mim mesma: não vou mesmo colorir, que perda de tempo! Comprei uns importados do tipo "listografia" e acabei deixando pela metade. Nunca preenchi tudo; paguei uma grana preta e estão lá, vazios, pedindo para serem preenchidos.

Mas então veio a febre dos livros de colorir, e era um tal de pessoas de todas as idades procurando por esses livros que até os lápis de cor, até então nunca tão procurados após o furor da "volta às aulas", esgotaram.

Muita gente aderiu, alguns torceram o nariz, e eu fiquei na turma do "deixa o povo colorir!". Que mal há nisso? Em juntar os amigos em uma livraria e trocar ideias de cores para eles? Que mal há se o seu lápis é aquarelável e eu gosto é de hidrocor?

Mas então, como tudo na vida, como se não bastasse a guerra política das últimas eleições e as amizades desfeitas por causa de um partido ou outro, tiveram os que decidiram postar em suas timelines que livro de colorir não é livro, que nem deve entrar na lista dos mais vendidos. E aí fica a pergunta: não é mesmo? Para mim é livro, mas não de história, e sim de arte, tipo aqueles de fotografias que compramos. E o cara que desenhou não é um artista? Não merece ele que seu livro, que demorou tanto para fazer, esteja na lista dos mais vendidos?

Na onda dos livros de listografia e de colorir, quem sai ganhando é o leitor, aquele que sempre quis ter um livro, mas nunca arrumou tempo para escrevê-lo. Agora ele pode fazer parte de um desses, afinal, o que está ali vem da sua cabeça, o que se pinta ali é sua arte. E isso, por favor, não se discute!

Sempre fui péssima em colorir. Era igual colar figurinhas; sabem aquela pessoa que sempre cola torto? Sou eu. Também sou rainha em pintar fora das linhas; quem nunca? E antes que perguntem: sim, uso óculos, mas colorir um pouco para fora já faz parte de mim.

Ainda não comprei o meu livro de colorir, mas tenho lápis e hidrocor — tenho mania de comprar quando entro nas papelarias, mesmo que não tenha muita utilidade...até agora! — e fiquei bem animada com os dois livros que vem por aí da Galera Record.




A Galera Record agora me deixou com muita vontade! Aguardem e me acompanhem nas redes sociais porque, com certeza, o fofo "Gatos - O Livro de Colorir", de Marjorie Sarnat, e o Ateliê Fashion, da Rafaella Machado, estarão comigo. Preciso dar uma corzinha a eles, né? Não tem jeito, daqui a pouco sou a mais nova viciada. Antes colorida e feliz que preto & branca estressada. ;) 


3 comentários:

Ø Väzïø ñä Flø® disse...

Hahaha! Nem vem que o título de pintar fora das linhas não é somente seu!rs Nunca consegui construir nada que fosse no mínimo, aceitável!
Tanto para desenhar, quanto para pintar. Negação em pessoa e diria eu, negação para combinar cores!
Eu também acredito que é livro e pronto. Tá bem, de artes, mas livro sim e que coloca ali, na sua cara,as muitas possibilidades de um papel somente com traços.
Ainda não tenho meu livro de colorir, mas amo ver os desenhos prontos e com aquele emaranhado de cores. Descobrir talentos escondidos é o melhor que está tendo!
Beijo

Frini Georgakopoulos disse...

Fofo o texto, Raffa! Também coloquei na lista esses dois livros da Galera porque, além das estampas da Rafaella serem incríveis, o outro é de gatos. Impossível não colorir esses lindos! Mas também colo torto e também pinto errado. E dane-se! Bora ser feliz!

RLinus disse...

<3 estou louca para vcs colorirem meu livro!