14 de set de 2012

Papos de Sexta - Na pressão, por Frini Georgakopoulos

Você tem blog literário? Então já leu livro X, Y e Z? Não? Ah, tá lendo? E tá gostando? Como assim, não? É um megassucesso nos Estados Unidos! Você tem que gostar ou é poser! Vai resenhar quando? Escreve logo! Ah, eu TENHO de comentar?

Você tem Facebook? E Twitter? Fez faculdade de quê? Ai, adoro escrever, então vou fazer jornalismo. Me adiciona? Adoro o “Face”! Mas me adiciona, hein!

Você tá namorando? Ainda? Vai casar quando? Quero convite, hein! E apartamento, já viu? E os filhos? Você não está ficando mais jovem! Como assim não quer filhos? Ah, casa de qualquer jeito, vive de aluguel e tenha filhos... ou vai se arrepender.

Você trabalha onde? Já bateu metas? Já implementou novos projetos? Trabalha tanto assim? Nossa, pra quê? Ah, tira uns dias de licença e vamos viajar.

Esses questionamentos irritantes e opiniões surreais são apenas alguns exemplos do que eu escuto. Todo. Santo. Dia. Pois é, como se a vida já não fosse complicada... Na boa? A vida não é complicada! Tudo é muito simples, mas a gente é que complica! 

Se eu tenho um blog é porque curto (ou porque “certas pessoas” me intimaram a ter um cofcofCarolcofcof) e se eu não escrevo mais posts ou resenho e leio mais livros é porque não tenho tempo. E se eu não gostei do megalançamento-from-the-sky-em-neon-trololó é porque valorizo minha opinião, mesmo que seja diferente das demais. Se eu respeito o seu direito de gostar de livro tosco, respeite o meu de ser uma leitora seletiva e crítica, oras!

Gostar de ler e de escrever não é sinônimo de trilhar uma carreira em jornalismo. Eu odiava ler e escrever e agora não vivo sem fazer os dois. Todo. Santo. Dia. Mas ser jornalista é ir além disso. Isso é ferramenta de trabalho. Ser jornalista é questionar — TUDO e TODOS —, é analisar contexto, é pensar fora da caixa, é expor a verdade mesmo que o caminho para isso seja árduo e repleto de consequências complicadas. Ser jornalista é ter horário para entrar e não ter horário para sair, porque notícia não tem hora! Se ainda não desistiu depois desse parágrafo, então matricule-se na faculdade mais perto de você, porque SIM, é necessário um diploma! Se concorda comigo, curta, comente e compartilhe!

Quando vou casar, quantos filhos vou ou não ter, onde vou morar... não interessa a ninguém! O que importa é que achei a pessoa com quem quero passar o resto da minha vida. E você? Tá solteira, né? Pois é...

Trabalho pra caramba, mesmo, pacas, bastante, mas não é em um emprego qualquer só pra pagar as contas. É carreira que estou traçando e a jornada é árdua, é diária, mas vale a pena. Reclamo muito? Claro! Quem não reclama? Mas é preciso conquistar desafios e o meu é diário! E não, não posso largar tudo para viajar. Responsabilidade, a gente vê por aqui!

Ufa! Leitores do blog da Galera Record, esse post foi feito sob pressão para falar sobre pressão por dois motivos: um, porque precisava desabafar. E dois, porque estou farta de perguntas bobocas e comentários inúteis e sei que vocês devem se sentir — ou já se sentiram — assim alguma vez. Dá vontade de socar, né? Mas sabe quem tem de apanhar? A gente! Por nos importarmos com a opinião alheia. Foi mal, mas quem está lendo e dizendo “eu não me importo” está mentindo para si mesmo. Vivemos em uma sociedade que é conectada 24 horas por dia, com bilhões de “amigos” a um toque de distância. Se você está em qualquer rede social, se é social de qualquer forma, você se importa sim, mesmo que desejasse muito não dar a mínima.

Meu conselho? Se importem, descubram a razão pela qual o comentário X, Y ou Z te incomoda e resolva. Por você, não pelo infeliz que te fez sentir mal. O que importa é ser feliz, ser bem resolvido. Lugar de recalque é embaixo do meu salto! E bola pra frente porque a pressão é grande!

Ah, para continuar no tema, comentem e me deixem feliz! Mas só se quiserem... sem pressão :)

14 comentários:

Andresa V. Branco disse...

A D O R E I! Me sinto assim um milhão de vezes no mês HSUAHUASH E sim eu tenho um blog, sim eu faço Jornalismo (pq é o q quero desde os meus 12 anos, e realmente é bem mais difícil do que eu imaginava)e sim eu odeio gente que fica me cobrando hahaha. Adorei o texto, me identifiquei! Pq vc não escreve um livro? (SEM PRESSÃO VIU? haha)
Beijos

Andresa Vidal
www.inbookshelf.com

Raffafust disse...

Oi Frini

Ah amiga ...como não me identificar com cada palavra? Me sinto assim ..todos os dias. Respiramos e vivemos na pressão na mesma intensidade. Quando mais nova era pressionada para ter o primeiro namorado, depois com o tempo para que me case com ele e ninguém entende como posso ter entrado nos "De repente 30"e não ter casado...mas isso é problema meu ( e dele!). E a pressão por filhos...e a pressão por um bom emprego...e quando eu o consigo..querem que eu more sozinha...ou que me case...e uma pressão é amiga da outra e quando vejo mal consigo respirar porque elas me cercam muito!
Quando escolhi jornalismo estava certa de que tinha feito a faculdade certa mas durante 4 anos ouvi meu pai dizer que era a errada ...quando não consegui emprego ouvi ele dizer que tava certo...e sempre fiquei na dúvida se certas pressões não devem ser "ouvidas".
Hoje, respeito algumas, me desligo de outras porque não tenho tempo para besteiras...trabalhar me consome e sou feliz no que faço! O pouco tempo que sobra eu fico com minhas amigas, família e namorado, porque é isso que me importa ;)
amei o texto!
beijos imensos
o/ tamo juntas kkk

Fernanda Ohashi disse...

Comentando que eu curti demais o post, mas sem pressão!!!

:)

Acho que todos temos direito de enlouquecer um pouco por causa da pressão diária, não é fácil, a gente liga sim para a maioria do que os outros dizem, infelizmente ou felizmente, eu não sei mais, mas o tempo não espera a gente, ele vai embora e não tá nem aí, e a gente?! A gente devia tentar seguir o exemplo do tempo pra ver se dá certo :p

Beijos, Nanda

Alan Barcelos disse...

Já dizia George Orwell: "Jornalismo é publicar o que alguém não quer que se publique. Todo o resto é publicidade".
Já dizia... bem... eu: "A pressão é amiga da perfeição". (rs)
O estresse bom que normalmente vem dessa pressão de trabalho, sociabilidade, vida etc. ajuda a ter disposição, a raciocinar, a conhecer as coisas e a escrever textos FODAS como esse. :)

Mila disse...

Adorei o post, fazia tempo que não lia um post que me chacolhava desse jeito, vivemos em pressão constante, e mesmo não admitindo algumas perguntas incomodam sim, e muito, e ai da aquela baita vontade de soltar um sonoro, cuida sua vida!!! (as vezes até para as pessoas que gostamos.."alô pai!!!")
E tenho que dizer que sou uma das que falam que quero fazer jornalismo porque sempre gostou de ler e escrever, e quando vi esse assunto no post logo vi que meu argumento não é tão valido assim, porém não é o único, afinal estou no último semestre de engenharia mecatrônica e quero começar ano que vem a faculdade de jornalismo (porque precisa de diploma SIM!!!), porque quando optei por engenharia ao invés de jornalismo, foi pelos motivos errados, e pela falta de coragem de fazer uma opção que ia contra aos "aconselhamentos" gerais, enfim porque é jornalismo que quero tentar, é com isso que quero trabalhar...
E várias vezes ouço que não sei o que quero da vida, porque engenheiro ganha melhor, tem mais emprego, e que vou perder meu tempo fazendo jornalismo, mas o negocio é que sei exatamente o que quero é por isso que vou fazer jornalismo, que mesmo depois de uma faculdade de 5 anos, vou entrar em outra, e ralar para ter uma carreira dentro da profissião que eu escolhi...
Eita fiz do comentário um desabafo, mas adorei o post dessa sexta foi muito bom...Frini.

Beijos Camila

Beatriz disse...

It just fit in my shoes. Na verdade eu acho que no todo mundo. Todo mundo é constantemente questionado e o pior como reflexo acabamos por fazer o mesmo, como me pego fazendo isso, paro e tento mudar de assunto. (mas sem pressão)
adorei o comentário.
ps: inicialmente li o link rápido e achei que você ia fazer uma reunião, a lá happy hour, no Na Pressão para as pessoas falarem sobre livros :P

Beatriz disse...

just fit in my shoes. Na verdade eu acho que no de qualquer um. Por vezes me pego fazendo essas perguntas, paro e tento mudar de assunto. Pq ficar na pressão pra que?
adorei o comentário. :*

ps: quando li o link no grupo do clube do livro, foi de forma tão rápida que achei que era algo sobre um happy-hour literário no bar Na pressão, hehehhe ;P

deborahandrade disse...

Gente, eu me senti incomodada e envergonhada me imaginando numa situação dessas!! xD Sério que te perguntaram tudo ou quase tudo isso?! Oo
Pressão, detesto estar sob pressão, nunca funcionei bem nessas situação (Y) Agora, o melhor de tudo foi sua dica de como resolver o problema com as perguntas xD Adorei!! E nunca tinha parado pra pensar que enquanto somos pessoas sociais, nós nos importamos sim com a opinião alheia... Nunca pensei dessa forma xD
Como sempre mandou muito bem Frini!! :D
Beijosbeijos

Aleatoriedades minhas disse...

Acho que um pouco de pressão é necessário para que as pessoas não larguem o que fazem, para que não deixem seus objetivos de lado. Eu, por exemplo, não sofro pressão, não tanta, mas acho que isso é ruim para mim porque eu fico mais relaxada em relação a coisas que deveriam ser prioridades, mas, se eu tivesse sob pressão constante, só me importaria se as pessoas que impusessem isso fossem pessoas que são importantes para mim, não me importo nem um pouco com o que as pessoas falam ou pensam sobre mim, porque para mim o importante é o que a minha família, e somente eles, pensam. Se nós formos nos importar com que os outros falam sobre nós, nós vamos enlouquecer, são tantos contra um.
Meu sonho é fazer jornalismo, desde sempre, mas as pessoas não entendem que jornalismo é um curso como todos os outros e que precisa sim de diploma, muitos acham uma bobagem fazer faculdade para ser jornalista e acham que qualquer um é qualificado para isso, além daquela bobagem que muitos falam quando você diz que quer fazer jornalismo: “Quer morrer de fome?” e algumas me dizem até para escolher outro curso, mas mesmo assim eu não ligo, é o que eu quero então eu vou fazer o meu melhor para realizar meu sonho.

Jane C. disse...

Frini querida,sinta-se reverenciada neste momento!Estou fazendo tal qual os japoneses, e ainda aplaudindo de pé!
Nem tenho muito o que comentar,porque você já disse tudo!Amei o que você escreveu: "Se você está em qualquer rede social, se é social de qualquer forma, você se importa sim, mesmo que desejasse muito não dar a mínima." Penso exatamente isso!É tanta gente que diz que não tá nem aí pro que os outros pensam,mas quando recebe uma crítica,parece até que lhe xingaram a mãe."Meu conselho? Se importem, descubram a razão pela qual o comentário X, Y ou Z te incomoda e resolva. Por você, não pelo infeliz que te fez sentir mal. O que importa é ser feliz, ser bem resolvido."EXATO!Dizer que não se importa com o que os outros pensam é balela,mas realmente,o que se deve fazer é descobrir o porquê do incômodo,afinal,ninguém pode ter o poder de definir o que vamos pensar ou como vamos agir. E quanto a essa cobrança (nojenta,ridícula,arcaica) sobre casamento e filhos,bem...Todo mundo adora cobrar,mas ninguém vai na sua casa pagar suas contas ou trocar a fralda dos filhos que você venha a ter.
Liberdade de pensar e agir,é disso que precisamos!

Renata disse...

Texto realmente ótimo, Frini!! Parabéns por ter sintetizado o sentimento de muita gente - inclusive o meu - de forma concisa.
Essa pressão, essa cobrança, essa coisa de todo mundo tomar conta da vida dos outros é mera vontade de fofocar... Habito profundamente arraigado na sociedade. Fazer o quê?
Eu tento ligar o batãozinho do "dane-se" sempre, mas nem sempre consigo. E assim a gente vai levando, querendo matar uns e outros quando começam com as perguntinhas, rs.

Adorei!!

Beijocas

Tita Mirra disse...

Ótimo texto, Frini!

Eu sou daquelas que não rendem sob pressão. Talvez por que eu seja acelerada naturalmente, quando estou sob pressão não produzo direito e tenho q reduzir o ritmo. Isso pode não fazer sentido pros outros, mas é assim q eu funciono :)

E, sim, eu gostei do livro mais comentado dos últimos tempos. Pode me chamar de tosca, eu não ligo! rs

Beijão, lindona!

Pâm Gonçalves disse...

Nossa, Frini! Você traduziu meu sentimento!

Eu estava muito mais preocupada com a pressão no começo do ano, foi realmente um momento triste. Além de as pessoas e situações me cobrarem, eu me cobrava o tempo todo também!

Tô conseguindo trabalhar isso e agora eu filtro o que me faz bem e só aceito fazer aquilo que eu realmente gosto.

Bjs!

J.F Silva disse...

Adorei o post.
Pressão está em todo lugar, o que é politicamente correto na sociedade às vezes nos pressiona.

Beijão Frini =)