16 de mar de 2012

Papos de sexta: Ser feio não importa, por Rafaella Fustagno


Terminei de ler "Feios" de Scott Westerfeld. E ainda não consegui parar de pensar no tema do livro. Acho que o autor quis alfinetar de alguma forma a sociedade em que vivemos.  Quem já leu o livro sabe do que estou falando. Nele a personagem principal, Tally Youngblood, vive em um mundo onde o normal é ser feio só até os 16 anos, quando o governo paga uma cirurgia para você ficar lindo. Pensei nos prós e contras, confesso que me olhei no espelho, e vi ela lá, minha barriga. Essa coisa que eu odeio desde... sempre! Que me acompanha a vida toda, que gosta de se destacar e a quem eu carinhosamente  apelidei de "Pancinha" . Imaginei que, se vivesse em Vila Feia, Pancinha seria normal até eu completar 16, e então alguma espécie de mago do bisturi a tiraria de mim. Depois disso, e eu viveria em um mundo com pessoas lindas, sem barriga, com narizes perfeitos e cabelos eternamente com escova progressiva.
Não sei se gostei, porque aí todo mundo seria igual, não haveria mais feios e todos seriam....perfeitos? Mas perfeitos para quem? Quem mede o que é bonito ou feio? E se fosse verdade, a expressão "Quem ama o feio, bonito lhe parece" acabaria?
Sou chata, quis discutir o tema. Meu namorado estava vendo o jogo do time dele e eu escolhi a ótima hora para perguntar:
- Amor, o que você acha da minha barriga?
Claro que sem nem olhar para mim ele disse:
- Tá linda!
Exatamente assim, como sempre fala, esteja eu toda arrumada ou de calça jeans. Mas eu insisti:
- É que eu li um livro e pensei que se eu tivesse uma barriga chapada, e se todos tivessem a barriga assim, você acha que seria melhor? Um mundo sem pancinhas???
Fofamente ele me respondeu:
- Esses livros estão te deixando doida, né? Andou lendo livro de dieta aposto, algum anoréxico escreveu sobre como emagrecer e pronto. Você foi lá e comprou!
Desisti de fazê-lo entender. E aí lembrei de mais uma coisa: se fosse no mundo do livro, quem faz aniversário antes fica lindo primeiro, aí eu iria antes dele para o mundo sem Pancinhas já que sou mais velha. Ai, que horrível, eu linda e sozinha e ele lá, ainda feio e rodeado de feiosinhas!
Resolvi desencucar, fui para frente do espelho e imaginei: "Sou linda como Jennifer Aniston", mas caí na real e vi que ela não tem Pancinha. Então me imaginei Adele, cheinha e amada, cheia de fãs e fazendo um sucesso danado. Aí o sorriso veio no rosto.
E apesar de quase toda semana lembrar que tem algo em mim fora a barriga que gostaria de mudar, (sim, uma semana é o cabelo que não tá legal, na outra queria um nariz mais empinado...) vi que prefiro o mundo imperfeito. Afinal, nele podemos fazer sem neura um ajuste aqui e ali, sem chegar ao extremo da obrigatoriedade de sermos todos lindos.
Para mim o livro de Scott é mesmo para parar e pensar se não estamos viciados em estereótipos, se não é exagero o que a moda nos empurra sobre o manequim 36 ser o legal, mesmo quando o seu biotipo implora pelo 40! Vi tanta gente criticando a magreza exagerada da Angelina Jolie no Oscar e a toda malhada Demi Moore (que virou uma caverinha) que me pergunto: de quê adianta ser linda sem ter saúde? Se você luta contra sua natureza? Não sou contra as plásticas e dietas e acho bacana ter uma vida saudável em prol de um corpo sadio, mas acho, de verdade, que temos que nos amar genuinamente.
Depois de ler esse livro maravilhoso, que nos faz pensar intensamente no assunto, me olhei no espelho mais uma vez, só que sem encolher a barriga. Aí me achei linda. Até porque estava lá na estante uma das minhas autoras favoritas, com o livro que podia ser meu lema de vida: "Tamanho 42 não é gorda"! Respirei, peguei os 3 volumes da série e no último estava a resposta: "Tamanho não importa"! Sábio Scott, sábia Meg Cabot! ;) 

26 comentários:

Pati disse...

Adorei o texto!! Realmente o livro deve colocar varias "verdades absolutas" sobre beleza em questao!
Mais uma vez um sucesso de coluna, Rafa!

Parabens! :)

Vivi Maurey disse...

UAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAH FATO!
É de fato uma crítica giga que os Sr. Scott nos apresentou em 'Feios' e segue apresentando na continuação.

A beleza do mundo é a diversidade mesmo. E o feio e o bonito são coisas relativas, de época tb, pq isso varia muito de geração pra geração. O que é lindo, pq não dá para ditar o que é bonito. Até beleza é moda, rs.

Adorei o post!

Bianca disse...

Adorei sua coluna. Nunca tinha parado pra pensar nessas coisas. Muito bom =D

Sra. Revoltado disse...

kkkkkkkkkkkk... Morri!! Não consigo parar de rir!!
Pancinha??? hsuahsuahsuahs... Agora... Seu namorado é um fofo! Ele responde!! A maioria só rosna... shauhsauhsaus...
Ah... Cabelos perfeitos... Rsss... Nunca serão! =P
Muito atual esse assunto! Eu tentei dos 16 aos 22 estar sempre impecável, mas confesso que sou mais feliz hoje! haushaush... Não embaranguei, mas antes eu tinha cabelos e pele perfeitos e usava salto até na praia. Terminava o dia morta, era anoréxica e odiava a Juliana Paes pq ela tinha bunda e eu não.
Cansei!! Rsss... Hj ando com os pés no chão (nos dois sentidos), saio de casa sem batom nem rímel, engordei 10kg (e conquistei minha sonhada bundinha!! hahaha), vivo descabelada e SOU LIVRE!! Cheeeega de ditadura!!!
Sorte nossa ainda existirem homens que preferem mulheres de verdade a de bonquinhas de luxo com vácuo no cérebro! =P
Como sempre! Perfeito! Bom dia!

Anônimo disse...

Depois do ziper da minha calca ter estourado as 07 da manha, nada como a Rafa para aliviar os kilos extras! rs

Aimee

Camila Leite disse...

Ah amiga, eu também tenho a famosa "pancinha". :S E confesso que minha relação com ela é bem conturbada. rs Porque às vezes apenas a ignoro, mas outras vezes ela me irrita me envergonha, me entristece. Mas sabe, eu sou saudável, sou feliz, um dos maiores prazeres da vida que não abro mão de jeito nenhum é comer o que eu gosto a hora que eu quiser e isso infelizmente acarreta na 'maldita' da "pouchete" (esse é meu apelido carinhoso para minha 'pancinha' rs)
Enfim, o que quero dizer é que se você é feliz e livre, o que importa se veste 38 ou 42? Sou muito feliz com as minhas calças 42, afinal, elas não mostram que sou gorda e sim que tenho o corpo muito bem delineado, obrigado! Meu tamanho 42, mostra que sou uma mulher tipicamente brasileira.
E imagina que chato se todos fossem iguais. Se rissemos da imperfeição de alguém, estaríamos rindo de nós mesmos. E isso não seria legal.
Muito bom o texto amiga, acredito também que Scott 'alfinetou' a sociedade desta maneira para acordarmos. Precisamos disso.
Beijão!
Camila Leite

@sonhospontinhos
http://sonhosentrepontinhos.com

Igor disse...

Não fica brava comigo naaao. te adoro. Bjs

Dessinha disse...

Viva as "pancinhas" o/

Adorei a coluna amiga. Esse é realmente um assunto que deveria ser mais discutido. Eu fico boba quando vejo as pessoas diminuindo ou criticando o trabalho da Adele por ela ser gorda. A mulher tem um talento incrível, uma voz maravilhosa...agora me diz o porquê do peso dela ser um empecilho na carreira dela?!

Tamanho não importa mesmo!

Beijos,
Dessinha

Raffafust disse...

Muito obrigada pessoal pelos comentários.
Fico muito feliz de saber que muitos concordam que magreza nem sempre é sinônimo de beleza e que as mais cheinhas tem que ter vez sempre! :)

Bjos

Lygia Netto disse...

HAHHAA...me identifiquei, Raffa! :D

Tenho a tal pancinha tbm (que está mais pra panção, mas who cares, rs), fruto de uma vida agitada que o RJ proporciona. Confesso que era muito mais magra quando morava em MG, mas acontece. No final das contas, é importante vc estar bem consigo mesmo e ter saúde! Disse tudo!

E Meg e Scott dispensam comentários. Geniais! o/

Acho que essa foi uma das suas melhores colunas. Adorei!

Agora, sobre a Adele, apesar de todo o sucesso, é muito difícil um gordinho (ainda mais de for mulher) se dar bem na carreira artística. São poucos os que conseguem. Acho que esse meio tem uma cobrança absurda com a aparência, resultando em Angelinas e Demis da vida!


Beijos!

Margô disse...

Adorei!!! Rss Estou rindo sozinha do seu post! Muito legal! Quando li Feios lembrei logo das plásticas que a mulherada anda fazendo em busca da "perfeição". Me olhei no espelho e encontrei montão de coisas para "consertar"...rs Bjs

Dandra disse...

Que texto ótimo Raffa!

Adoro seu jeito sincero em descrever as suas verdades através dos livros.

A perfeição, sem a imperfeição não é nada.

Todo mundo passa por esses momentos em que não estamos satisfeitas com o que somos. E vc acha que as atrizes de hollywood não pensam a mesma coisa, mesmo depois de tantas plásticas? Nunca é o suficiente, e nunca será possível alcançar a perfeição.

Lany disse...

"Pancinha!" HAHAHA adorei! Eu também tenho "pancinha"!XD Eu tenho muitas flutuações de peso, então por isso eu fico me policiando as vezes e tento fechar a boca. Mas não é nada muito rígido, porque afinal, tudo o que é bom engorda HAHAHA! Então eu posso dizer que não ligo para a ditadura da moda! O importante é estar saudável!
Eu também li "Feios" e concordo com você: a beleza do mundo é exatamente as diferenças. Como seria chato se todos fossem "Iguais"... São as diferenças que fazem com que cada um tenha a sua personalidade!
Beijos!

Renata disse...

Rafa!
Ótimo texto, hein?! Quando você falou ontem da "Pancinha" não tinha imaginado que o texto seria tão divertido! Adorei mesmo!

Mas entrando no assunto, acho que a ideia é essa. Um mundo perfeito seria até esquisito, né?1 Eu lembrei que quando vejo muita gente bonita junta costumo falar: "Nossa, é tanta gente bonita que até cansa. Precisa de um feio para equilibrar a natureza.". Pois bem, num mundo de perfeitos, eu acredito que ia viver enjoada.
Eu tbm reclamos de uma ou outra coisa no meu corpo, mas gosto de mim assim. E se eu fosse perfeita, ia reclamar do quê?

Adorei a escolha do assunto, viu?! Excelente texto, excelente desenvolvimento!!
Parabéns!

Beijocas

Vanessa Medeiros disse...

Raffa

Pra mim isso numca me afetou sabe pq? pq eu prefiro a beleza interior da cada um pq tem muita gente por fora linda e por dentro podre!! pq se tiver inperfeições por fora temos como darmos jeitos com cirurgias claro na medida certa sem exageros! ,mas por dentro não!!e cada pessoa e única temos que nos aceitar e gostarmos como somos pq primeramente temos que nos AMAR pra depois a outras pessoas nos amar e gostarmos de nois vc exagera quando fala dessa pancinha!!e pra essa pancinha amiga e so malhar e ter uma dieta balaceada que ja já vc ficara mais lindaaa bjosss

Beijos da sua amiga Vavá =)

Carol Ardente disse...

Adorei a comparação com a Adele. Eu me acho gordinha e não me importo com isso. Prefiro emagrecer de forma normal, sem tomar nenhum remédio ou dica que uma colega deu. Eu ainda não li "Feios", mas tenho o livro e acho a temática dele ótima e bem diferente.
Adorei a coluna, amiga!
Beijos ;*

Carol Ardente disse...

E eu também acho que temos que nos orgulhar por sermos gordinhas, porque á famosas gordinhas que arrasam! :)
Beijos ;*

Evellyn disse...

Bem,
acho que só o nome do livro já é uma alfinetada! Ja falei que tenho 'birra' para ler esse livro por conta do nome (olha como eu sou! mas não acho que seja questão de superficialidade, é só que acho estranho, feio, não atrativo!... Ta ok, ja fui contaminada pelo mundo que vivemos!)
Suas colunas sempre são divertidas, com esses exemplos reais! E acho que seria um porre todo mundo lindo... Poxa, tem que ter os mais-ou-menos, ou feinhos... A diversidade do mundo é tão legal!

E realmente Jolie não ta com nada mais.. Demi ta doente mesmo.. Ai, essa vida é complicada viu?!

E sim, Meg sabe das coisas! Da pra ser feliz sem ser perfeita!

bjss
Evellyn!

deborahandrade disse...

Seu namorado é ÓTIMO!!! AHAHAHAH Eu ri aqui da sua conversa com ele!! xD
Pancinha, também tenho uma e como você disse ela me acompanhou a vida toda e provavelmente vai ficar comigo until the very end!!! xD
Mas ainda bem que tenho a Pancinha, se não a tivesse não seria tão eu, AMO comer besteirinhas mas também como saladas e frutas pelo bem da minha saúde, afinal se um dia ficar acima do peso Pancinha terá que diminuir de tamanho xD
Como você disse, temos que nos amar como realmente somos, temos que ser que nem a Adele, amar nossas próprias Pancinhas, porque elas fazem parte de nós e sem elas não seriamos realmente quem somos :)
Adorei a coluna irmã, realmente me deu no que pensar!!xD
Beijos:*

Ingrid Lilianne disse...

Grandes verdades! Mas seria uma chatice essa vida sem nenhuma feiura, do que a gente ia reclamar? hahaha
tem que amar os defeitos também, que nos fazem diferentes e únicos :) AMEI sua crítica, *-* beijão

papeldeumlivro.blogspot.com

Ingryd Lessa disse...

HAHAHAHA Raffa, amei total o que você escreveu!! xD

Primeiro , a coisa toda com o seu namorado. Eles simplesmente não entendem a gente!! Como assim "esses livros estão de deixando doida?" hahahahaha É isso que dá se envolver com a história e fazer com que eles entendam a situação.

Depois, ainda bem que você desencanou da pancinha! Eis aqui uma big pança falando (e eu já nem ligo muito). Meu manequim é uma transição entre o 40 e o 42, eu sou gordinha mesmo e venha me bater quem não gosta. Avá!

Queria muito ler "Feios", mas sabe como é né... Série relativamente grande, dinheiro pouco (acho que isso já é universal O.o).

Ahhh Meg diva sabe das coisas!! <3 E, como você disse, qual seria a graça se todo mundo fosse perfeito? Às vezes são os detalhes diferentes que fazem as pessoas serem bonitas :)

Beijocas!
Ingryd Lessa

Raphaela disse...

Oie Rafa!

Eu nao sou fça da Meg Cabot, mas acho que a participação dela no seu conto foi válida! HAHAHAH Eu vejo vocês as vezes falando algumas coisas do seu namorado, e já dou risadas, mas encaixou perfeitamente na história. Eu nunca li o livro, mas acho que qualquer história que dêuma alfinetada de forma válida na nossa sociedade, já é válida. Eu dei de presente o livro Feios para um amigo, mas quando eu li a sinopse eu fiquei: 'Gente, como é viver em um mundo em que todos são iguais? Em que todos são perfeitos?' Nâo consegui...

Parabéns pelo texto, Rafitcha!

Beijokas! :*

Raphaela
Equalize da Leitura { http://equalizedaleitura.blogspot.com.br }
@EqualizeLeitura

αηδψϊηћα ஐβϊττψஐ disse...

Chorei de rir com o texto, mas gosto mto do q o Scott escreve, ele sempre está lá dando umas alfinetadas na nossa sociedade.

Andy_Mon Petit Poison
POISON BOOKS - Stravaganza (Mary Hoffman) http://bit.ly/FPTDTA

EricaMarts disse...

Não li Feios ainda mas acho que devemos ser felizes como somos.
Sou magra naturalmente e tem gente que não tem o que fazer que implica com isso dizendo que tenho que comer mais. Eles que vão cuidar de seu corpo e deixar o meu em paz.

----Leituras & Fofuras----
www.leiturasefofuras.com.br

Math Tonionni disse...

Ai... eu DEFINITIVAMENTE adoro a Raffa e suas teorias e comentários!! Gente posso dizer que pessoalmente estas divagações são muito melhores!! Eu não posso comentar nada sobre pancinhas amiga... vc já conhece a minha!! kakakakakakaka

Mas falando sobre o Scott... acho que ele foi brilhante ao abordar estes temas nos livros!! Já estou comprando todos os livros e malocando aqui... para ler todos seguidinhos depois!! he he he he he

Bem, obrigada Raffa por me fazer rir e refletir mais uma vez!! rs

Beijocas :-)

Anônimo disse...

Queria pedir encarecidamente que vocês analizassem a possibilidade de traduzir e lançar no Brasil o mangá da série Feios.
Vocês fariam milhares de fãs felizes e eu ficaria muito satisfeito em comprar o primeiro exemplar
Desde já agradeço esperando uma resposta.

http://scottwesterfeld.com/blog/2012/03/shays-story-spoiler-zone/