17 de fev de 2012

Papos de sexta: Geração E-Reader, por Rafa Fustagno

Arrumando a mala para viagem de Carnaval parei em frente a ela com dois livros na mão e aquela eterna dúvida de qual livro levar para ler no avião e nos momentos que a paz reinar na viagem. Foi exatamente nessa hora que uma prima que tem metade de minha idade entrou no meu quarto e me perguntou o que eu estava fazendo. Respondi que estava escolhendo qual livro levar, ela arregalou os olhos como se eu tivesse dito que queria levar minha cama:


- Como assim qual levar? Tá doida? Leva seu Kindle, pô!
Expliquei que não tenho Kindle, E-reader, nada do gênero, só livros, muitos! Lindos e todos impressos, arrumados por autor em meu quarto. 


Ela continuou:
- Credo, como você é pré! (entendi depois que eu sou pré-histórica!!!) Fala sério que você sempre leva esses livros pesados quando viaja? Por isso que tem alergia e problema na coluna! Em que ano você tá hein?


Não gostei muito não... Me defendi:
- Em 2012! Tenho os últimos lançamentos, amo os livros impressos, as capas, o cheiro deles, os marcadores... Gosto de sentir o peso de um livro em minhas mãos, de ter o prazer de virar a página. Qual o problema?


- Ai...olha isso! (ela pegou um clássico de 500 páginas como se pegasse um ET!). Pudera que você ama o Assis (Machado) e a Austen (Jane)... Parou no tempo deles!


Acabei colocando os dois livros dentro da mala mas fiquei pensando a semana inteira no assunto. Na verdade, eu cismei com isso. Sou mesmo antiga? Acabei tendo um sonho que, para mim, foi um pesadelo. Sonhei que estava em uma Bienal lotada, em uma fila imensa que supostamente seria de autógrafos de Scott Westerfeld. Eu era a única na fila com um livro na mão. Enquanto todos carregavam seus e-readers e eu estava lá com meus livros da série Feios. Na minha vez o autor falava que não tinha caneta porque ninguém mais pedia autógrafos, só fotos. Ao meu redor as pessoas riam de mim e cochichavam que deviam ter me proibido de entrar na fila atrapalhando o andamento com aquelas relíquias. Eu saia correndo pelos pavilhões e percebia que não haviam mais livros impressos nos estandes, só cartões (iguais a esses de recarga de celular) que você comprava e com um código baixava o livro. Acordei na hora, suando! Esse é o futuro? Onde terei meu autógrafo? Tudo será mesmo digitalizado? O que será das bibliotecas? Do que viverá a pobre traça? Acabará a expressão "virar a página"?


Será um exagero ter medo do futuro? Não sei. Olhei meus livros na estante, todos lá, coloridos olhando para mim e ocupando um espaço imenso no meu quarto. Mas enquanto eu viver eles terão vaga cativa! Não os troco pelos arquivos de um E-reader. Não sou contra ele existir, não digo que nunca comprarei um pois sempre pesquiso o preço e sei que em breve vou acabar comprando. Mas acho que me conheço o suficiente para saber que vou usá-lo para livros de autores que não coleciono. Não me imagino comprando um arquivo digital de um livro da Meg Cabot, não quero ter uma obra dela sem essas capas lindas, sem a foto dela na orelha! Se a vida é feita de escolhas, eu já fiz a minha. Que venham os E-readers e que mais pessoas gostem de ler, mas que não entrem em extinção os bons e velhos livros impressos. A vida feita só de digitalização para mim não tem graça! Até porque... Um mundo sem marcadores de livro deve ser muito triste!

26 comentários:

Vivi Maurey disse...

É... acho que vamos ter que pegar autógrafos com caneta digital. ;/

Lany disse...

Concordo totalmente com você Raffa! Eu penso sim em comprar um e-reader, mas vai ser exatamente para livros que eu não quero fazer coleção. Como você disse, Meg Cabot, por exemplo. É claro que eu vou comprar o livro, porque ele precisa ficar na minha estante!
Mas aí tem aqueles livros que a gente compra mas não faz muita questão que eles fiquem na estante. Esses eu compro na versão digital! Afinal... Daqui a pouco não tem mais espaço no meu quarto para tantos livros hahaha!

Lisa disse...

Um dia estava no trem, curtindo meu Quando Cai o Raio, ao lado de um cara que lia um mangá via e-reader. Fiquei com pena dele. Eu lá feliz da vida, virando as páginas como se não houvesse amanhã, e ele brigando com o tablet. E aumenta o zoom, e ajusta a imagem, e clica e diminui... Dei graças a Deus pelo meu livro ser de papel.

Fernanda Fustagno disse...

É um pouco óbvio que eu também prefira um livro de verdade, pois sou da década de 70. Não tem coisa melhor do que cheiro do papel. Além, também de cansar menos a vista.
A modernidade é ótima para muita coisa, mas estamos perdendo o aconchego do contato em vários sentidos.
Adorei seu texto e sou favorável aos livros, aos CD's, aos DVD's, às fotos impressas, entre vários.
Beijos, Fernanda Fustagno

Bianca disse...

Amiga, sei exatamente o que vc passa.
Quando entrei na faculdade e falava pra todo mundo que fazia biblioteconomia sempre vinha a pergunta: Mas o livro não vai acabar?
Se vai acabar não sei, mas se acabar vou ficar desempregada. Mas enquanto existirem pessoas como vc ainda tenho esperança.

Gabrielle disse...

Olá Rafa!
Compartilho da sua linha de pensamento, rs. Amo livros impressos, o cheirinho, aaaaah >.<

Mas, como uma futura bibliotecária, posso te dizer: fique calma! Os livros impressos não serão extintos assim, do nada. Claro que com o e-reader, as vendas cairão bastante... Mas os dois vão perpetuar, porque sempre existirá aquele grupo de pessoas que curtem os livros impressos, assim como eu e você!

=)

Um beijo, Gabrielle.

Sol disse...

Adorei o texto. Como já te falei, tenho um e reader, mas adoro os livros de verdade. Vou acompanhar o blog. Parabens. Bjs

Anônimo disse...

Tem coisa melhor que cheiro de livro novo?

Não há! Talvez chocolate..rs

Adoooorei Rafa, concordo em genero, numero e grau!


Beijooos,
Aimée

Verônica Sobreira disse...

Oi, Rafa
Adorei e compartilhou com você este medo. Minha irmã que é uns, 18 anos mais nova que eu rsrsr... Se relaciona melhor lendo no note ou tablet do que com os livros em si. Penso que serão dos nossos livros, maravilhosos, cheirosos e dos nossos queridos marcadores. Minha mãe os adora com adora os livros , ela vive "roubando" de alguém quando gosta rsrsrs... Vou aderir a tecnologia? Sim, mas vou sempre amar meus livros, não pensou na minha casa sem várias estantes deles. Bjão

Camila Leite disse...

Eu estava me divertindo com o texto até aqui: "Um mundo sem marcadores de livro deve ser muito triste!" - fiquei realmente triste, por que o futuro não é mais incerto, os Kindles e os e-readers estão aí! Mas julguem-nos, por sermos pré-históricas! Julguem-nos por gostarmos tanto do cheiro dos livros, AMAR DE PAIXÃO os marcadores!!!! Eu não os largo por nada nesse mundo e por mais que eu esteja bastante resistente com os e-books, quem não no futuro não estaremos todos aderindo a moda? Mas acredite, no meu quarto sempre terá um livro, para um livro! Mesmo no futuro, quando os físicos forem apenas lembranças, para certas pessoas, eles continuarão lá, ocupando até o espaço que não tem mais.
Um Beijão!
Camila Leite

@sonhospontinhos
www.sonhosentrepontinhos.com

Metidão disse...

Kindle é de pobre. Só uso iPad!!!

Sra. Revoltado disse...

Tbm concordo em grau, número e gênero! Msm eu que não tenho lido muito nos últimos tempos não sei o que seria de mim com aquele espaço dos meus livros todo vago... Colocar o que ali??
Imagina passar quatro horas lendo em um e-reader! Que me perdoe a modernidade (futuro), mas até nosso corpo (visão) precisa que certas coisas continuem exatamente como estão pra continuar saudáveis como por exemplo... Livros impressos, com capas lindas e cheirosas "atravancando" todo aquele espaço pela casa.

Débis disse...

Adorei a postagem. Eu tenho um e-reader onde carrego os livros da facul, mas adoro livros de verdade, impressos, com sua textura e cheiro. Não acho que o livro impresso vá deixar de existir, tantas tecnologias novas surgiram e não abandonamos as antigas, como por exemplo o rádio, acreditava-se que depois do surgimento da TV o rádio sumiria, mas ele continua lá firme e forte, por isso não acho que bibliotecas e gráficas vão sumir, acho que terão que fazer algumas adaptações. Ainda muita gente compra livro, por que vão deixar de produzi-los?

Raffafust disse...

Muito obrigada por todos os comentários! Que bom que pelo visto não deixaremos morrer o bom e velho livro impresso!
Perfeito seria se pudéssemos conviver para sempre com os 2! Tradição e tecnologia lado a lado :)

Bjao para tds!

Igor disse...

Muito bom Rafinha,

excelente texto.

E tb prefiro ler o livro impresso. Muito melhor que ler qualquer coisa em uma tela.

bjs

Priscila Boltão disse...

Nem ligo pra E-reader. Gosto mesmo é de pegar o livro, a capa brilhante, o cheirinho de novo, o pesinho na bolsa, os marcadores estilosos. Ah, e quando se pega um autógrafo! Fica a coisa mais linda.

Não importa o quanto digam q está ultrapassado, o único jeito de me fazer largar os livros de verdade (pq livro de verdade pra mim é aquele que a gente compra e põe na estante e fica admirando) é que não existam mais.

(Me senti agora aqueles xiitas em tirinhas pela internet que destroem kindles, usando camisetas com livros estampados gritando "I keep it real, motherf***er!")

luana disse...

Concordo plenamente! Eu adoro sentir o livro comigo, faz com eu me sinta bem... O cheiro, a textura, virar as páginas faz parte da magia que é a leitura! Sem falar que sim eu adoro ter milhares de livros espalhados pela casa e no meu quarto. As vezes me sinto meu velha fazendo isso, mas e dai? Esse ano meu colégio trocou os livros físicos por digitais, agora a galera pode ler tablets e notebooks para acompanhar as aulas, mas eu não levo. Por entre outros motivos porque eu adoro escrever a mão e sentir o livro. Nada contra os e-books, é provavel que eu compre sim um tablet ou e-reader. Mas por enquanto eu prefiro continuar do jeito que estou.Como vc disse Rafa, eu não poderia deixar de comprar um dos livros da Meg em carne e osso! Minha estante precisa dela! shaushau PARABÉNS pelo texto eu adorei!
beijossssssss, lu
bananapirata.blogspot.com

luana disse...

Concordo plenamente! Eu adoro sentir o livro comigo, faz com eu me sinta bem... O cheiro, a textura, virar as páginas faz parte da magia que é a leitura! Sem falar que sim eu adoro ter milhares de livros espalhados pela casa e no meu quarto. As vezes me sinto meu velha fazendo isso, mas e dai? Esse ano meu colégio trocou os livros físicos por digitais, agora a galera pode ler tablets e notebooks para acompanhar as aulas, mas eu não levo. Por entre outros motivos porque eu adoro escrever a mão e sentir o livro. Nada contra os e-books, é provavel que eu compre sim um tablet ou e-reader. Mas por enquanto eu prefiro continuar do jeito que estou.Como vc disse Rafa, eu não poderia deixar de comprar um dos livros da Meg em carne e osso! Minha estante precisa dela! shaushau PARABÉNS pelo texto eu adorei!
beijossssssss, lu
bananapirata.blogspot.com

Loucos Por Livros! disse...

A minha professora estava falando sobre livros hoje. Ela disse que acha ótimo os livros de faculdade difitais, em que v ocê não precisará pagar caro por eles e não precisará levá-los contigo, já que são muitos pesados. Mas ela disse que gosto de ler um romance com as folhas impressas, de sentir o cheiro do livro, entre outras coisas. Eu penso o mesmo que ela. Eu cresci com uma bilbioteca dentro de casa e na casa da minha avo. Agora eu estou criando a minha. Que sonho horrível que você teve, amiga! HAUHAU. Acho que seria preconceito um escritor não querer autografar um livro de papel, porque foi por ele que o escritor fez sucesso. Acho legal vivermos essa era digital, mas acho desnecessário trocar prazer por vício...
Adorei a coluna, Raffa!
Beijos ;*

Ana Carolina
http://loucospor-livros.blogspot.com

Caçadora de Livros disse...

Amiga, socorro!!!!!!!!!!
Não quero esse futuro não.
Tudo bem que a Amazon vem para o Brasil, teremos kindles por 199 reais, mas sem a letra do autor no livro, assim não dá, assim não pode. ;D
Bjs flor!
Bom carnaval!

Ana disse...

adorei!!!!
eu tb fico pensando muito nos e-readers... mas a sensação do livro em suas mão... é indescritível...
aqui em cas tb temos nossa biblioteca particular... são mais ou menos 3500... até a última contagem pelo menos... mas só da bienal do rio eu trouxe 60...rss..
a evolução com certeza vai existir... e eu tb sou "pré", mas mesmo assim tento passar a beleza e a importância dos livros pra minha pequena pra q ela os ame tanto quanto eu...

De repente quinze disse...

Eu concordo com a Raffa viu, só para aqueles autores que eu não coleciono...mas eu tenho certeza de que não há sensação melhor do que você segurar seu livro e folhear página por página e ainda sentir aquele cheirinho de livro novo *_* e como se o meu mundo ficasse mais alegre com essa sensação.

Clarisse Cunha disse...

Seu sonho foi bizonho, mas tudo a ver com o seu dilema! rs
Eu só recorro ao ebook quando estou no desespero. Não consigo pensar em parar de olhar aquela cascata maravilhosa de livros na Biblioteca ou Livraria. Ou então parar de marcar meus quotes favoritos.
Até pq no ebook é um saco marcá-los! #droga

Apoiado!

E Raffa, não estamos velhas não. Essas crianças que não sabem o que é bom! Não se fazem mais viciados como antigamente... rsrs

Anônimo disse...

Adorei o texto! Acho que todos devem ter a opção de escolher! Eu pensei nisso nos últimos meses e pretendo continuar com meus livros impressos. Talvez um dia se os preços forem realmente diferentes, eu compre um ou outro, já que no momento não vejo tanta diferença assim...
Também li muito sobre isso, e pode parecer loucura, mas depois de tudo que li, tirando a questão do espaço e da poeira, continuo achando mais prático, pelo menos pra mim, os impressos. Sem falar que gosto muito mais tbm! Então, independente do que aconteça, no momento continuo com os meus impressos e só trocaria se um dia não tiver jeito e isso se popularizar aqui e a diferença de preço for gritante, ou se realmente já for da minha vontade, o que, como já disse, não é o caso agora. Tecnologia e ótimo, mas não acho que precisa substituir tudo.

Lívia.

Evellyn disse...

ahaha
vi vc comentando no face e passei aqui! Menina, entendi seu drama, mas morri de rir com seu pesadelo! Nossa, não ia gostar disso não.. Não troco meus livros impressos (trouxe minha mala de mão só com livros) por ebook não.. Não tem a mesma emoção!

bjs
Evellyn!

Cristiane de oliveira disse...

Amo ficar olhando meus livros na estante e não sei o que vou fazer se não sentir o cheiro deles.
Cada palavra sua é a minha.
Beijos Raffa